Ainda estamos em Férias !

Aguarde! Em março voltamos com novidades! Até!

Anúncios

Israel recebe a maior honra para a inovação tecnológica

Medal 1
Serge Dahan – © Le Monde Juif .info | Photo : DR

O pai do cartão de memória e inventor israelense, Dr.Eli Harari, fundador e ex-presidente da SanDisk Corporation, foi premiado pela Medalha Nacional dos Estados Unidos da inovação tecnológica, a mais alta honraria científica da América .
“Estes investigadores e inovadores expandiram a nossa compreensão do mundo, fizeram uma contribuição inestimável para seus campos e melhoraram nossas vidas. Nossa nação foi enriquecida por suas realizações”, disse o presidente Barack Obama durante o anúncio dos vencedores.
Ao longo das últimas três décadas, o Dr. Harari e a sociedade Sandisk têm desenvolvido o leitor de memória flash, o famoso USB. Este desenvolvimento revolucionou quase todos os domínios da tecnologia, permitindo o andamento de vários projetos inovadores.
Pequena “start-up” do Vale do Silício em 1988, a SanDisk emprega mais de 8.000 pessoas em todo o mundo, tem mais de 5.000 patentes industriais e gera um faturamento anual de mais de 6,5 bilhões de dólares.

Maghen Avraham no Líbano

sinagoga em Beirut

Maghen Abraham, a mais antiga sinagoga de Beirute, passa por renovação no distrito de Wadi Abu-Jamil no centro de Beirute (Cortesia Reuters)

Miriam Mizrahi Guindi, uma judia síria, originalmente de Aleppo, partiu da Cidade do México para Beirute em 1946. Já grávida, ela iria em breve dar à luz na cidade natal de seu marido Elias, a capital libanesa. Miriam voltou à cidade em três ocasiões para entregar o mais novo de seus seis filhos, gastando mais ou menos cinco meses a cada vez. Como muitos emigrantes judeus libaneses e sírios, Miriam e Elias mantiveram uma forte ligação com a região, apesar de ter deixado sua terra natal. Ambos falavam francês e hebraico desde a sua juventude, mas o árabe era sua língua nativa e preferencial.
Embora o casal emigrasse cedo para as Américas por melhores oportunidades econômicas, a maioria dos outros judeus libaneses também deixariam o Líbano em anos posteriores, temendo a insegurança ou a possibilidade de discriminação. Ao contrário da maioria dos países árabes, a partir do qual os judeus deixaram em massa após a fundação do Estado de Israel em 1948, o Líbano viu sua comunidade judaica crescer durante a maior parte da década de 1950. Mas no verão de 1958, os confrontos entre cristãos e muçulmanos libaneses destacou a instabilidade do país e região. A série de guerras árabe-israelenses nas duas décadas seguintes foi mais uma confirmação: por volta de 1970, uma comunidade que outrora fora mais de 12 mil haviam caído para menos de 2.000.
Para aqueles que permaneceram, a coisa logo piorou. Durante a guerra civil de 1975-1990, a zona judaica de Beirute encontrou-se ao longo de uma linha que dividiu Leste e Oeste de Beirute, em guerra. O bairro viu confrontos regulares e fogo de morteiros; em 1982, as Forças de Defesa de Israel bombardearam a sinagoga, deixando um buraco no telhado e a estrutura em mau estado, durante a campanha na área contra os combatentes da Organização de Libertação da Palestina. Os confrontos persistentes convenceram quase todos os demais membros da comunidade judaica a deixar o país. Menos de 200 judeus libaneses ainda vivem no Líbano hoje.
Mas alguns libaneses estão agora esperando que esta tendência possa ser revertida – porém com otimismo cauteloso. Em uma área nobre, mas fortemente vigiada, do centro de Beirute, um símbolo da coexistência religiosa parece prestes a ganhar uma nova vida. A Sinagoga Maghen Abraham, o único templo religioso judaico na capital, está determinado a reabrir depois de mais de três décadas de ruína. Quando a restauração, quase completa da sinagoga foi anunciada em sua página no Facebook no final de agosto, a postagem foi regada com “Curtir” e comentários positivos. “Espero que a comunidade será capaz de se reunir em breve”. “Nosso país precisa de toda a reconciliação que possa alcançar. Desejo-lhe tudo de melhor “, postou um comentarista libanês, um professor da Universidade Americana de Beirute.
A diáspora judaica libanesa – incluindo os Safra, uma família de banqueiros proeminentes – liderou a captação de recursos. Libaneses não-judeus também fizeram contribuições. Solidere SAL, uma empresa imobiliária criada pelos Hariri, uma família sunita proeminente envolvido na política, prometeu
US$.150.000, um valor que também foi oferecido por outros grupos religiosos para a restauração de locais de culto na área. No total, o custo de restauração está entre US $ 4 milhões e US $ 5 milhões.
Fundamentalmente, todos os principais partidos políticos do Líbano ofereceram apoio retórico para os esforços da reconstrução. Mesmo o Hezbollah, o partido xiita, que lutou uma série de conflitos e guerras com Israel desde a década de 1980, disse que recebe judeus libaneses.
Como Ghassan Moukheiber, um membro do parlamento libanês explicou: “A sinagoga ressalta a distinção que deve ser feita entre judaísmo e sionismo”.
A condição física de Maghen Abraham esta quase restaurada depois de décadas de abandono, mas não há rabinos disponíveis para oficiar os serviços no país. (O último rabino-chefe, Yakoub Chreim, deixou o Líbano em 1978.)

5000 anos depois

SIN
Déborah Partouche – © Le Monde Juif .info | Photo : DR

Um arqueólogo israelense descobriu no norte de Israel uma estrutura misteriosa feita de pedras, antiga de aproximadamente 5000 anos. Ela seria mais velha que a grande pirâmide de Gizeh, no Egito.
No início o arqueólogo pensou tratar-se de uma fortificação antiga, no entanto Ido Watchtel, estudante em doutorado na Universidade Hebraica de Jerusalém chegou à conclusão que a estrutura em forma de meia lua é um monumento erguido em honra a Sîn, o deus da lua na Mesopotâmia.
De acordo com o arqueólogo, uma antiga cidade chamada Bet Yerah (casa de deus da lua) mencionada nos textos bíblicos, esta localizada não muito longe do monumento, o que na opinião dele corrobora sua descoberta.
O monumento, com 150 metros de comprimento, esta situado a uns doze quilômetros ao noroeste do lago Tiberíades. O trabalho preciso de aproximadamente 200 operários durante um período de cinco a sete meses.

Jerusalém : tentativa de assassinato

police-israel-jpg20140919145521

Um membro importante do Movimento para o Monte do Templo foi ferido quarta feira a noite com tiros de um terrorista que fugiu de moto, informou um porta voz da polícia.
De acordo com as primeiras informações, Yehuda Glick, 50, militante para o acesso dos fiéis judeus ao Monte do Templo, foi atingido por balas atiradas por um motociclista, depois de ter participado de um debate no centro daa ‘Herança de Menahem Begin’, na Cidade Velha.
Em meados de outubro, o presidente da Autorridade palestina, Mahmoud Abbas, convocou os palestinos a impedir o acesso dos judeus à mesquita de El-Aqsa em Jerusalém e de utilizar « todos os meios possíveis » para proteger o sitio, o local mais sagrado do judaísmo.

Yaakov Tanenbaum – © Le Monde Juif .info | Photo : DR

Um ataque sem precedentes

Netanyahu x Obama

A administração Obama rejeita a caracterização do primeiro-ministro Benyamin Netanyahu como “covarde”, um insulto à liderança e ao caráter do primeiro-ministro  e que  foi revelado anonimamente por um alto funcionário do governo nesta terça-feira, conforme relatado pela revista ‘Atlantic’ .
“Certamente que esta não é a visão do governo, e nós pensamos que tais comentários são inadequados e contraproducentes”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional Alistair Baskey em um e-mail.

“O primeiro-ministro Netanyahu e o presidente forjaram uma parceria eficaz e consultas estreitas muitas vezes, inclusive no início deste mês, quando o presidente acolheu o primeiro-ministro no Salão Oval.”
Netanyahu respondeu nesta quarta-feira de manhã dizendo que ele estava sob “ataque” por sua ampla defesa de Israel.

Estado islâmico coloca vídeo de refém britânico em Kobani


O grupo jihadista do Estado Islâmico divulgou na segunda feira um vídeo que mostra o refém britânico aparentemente em Kobani, em uma tentativa de refutar que o EI estava perdendo a batalha para a cidade fronteiriça síria.
O vídeo, o último de uma série do repórter sequestrado, John Cantlie, o mostra em uma cidade danificada pela guerra, falando para a câmera e rejeitando a afirmação dos EUA que os “mujahedin” estão em retirada.
Cantlie, 43, foi sequestrado na Síria em novembro de 2012 quando cobria a guerra civil lá. Quatro reféns – dois americanos e dois britânicos – foram executados pelos militantes islâmicos.

O discuro do diplomata israelense George Deek en Oslo

Terror atinge recém nascido em Jerusalém !

Yaakov Tanenbaum – © Le Monde Juif .info | Photo : DR
ataque terrorista

Dez pessoas, no mínimo, foram feridas entre elas um recém nascido, nesta quarta feira a noite em Jerusalém por um ataque terrorista contra o trem local da cidade.
De acordo com testemunhas, um veículo atacou deliberadamente as vítimas enquanto aguardavam o trem. O motorista do carro tentou fugir mas foi imediatamente abatido por um agente de polícia. O criminoso é um residente árabe de Jerusalém.

Abbas Antissemita !

Yaakov Tanenbaum – © Le Monde Juif .info | Photo : DR

Avigdor-Liberman-Getty

O Ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, no sábado acusou o presidente da Autoridade Palestina de ter usado a retórica antissemita em chamar os palestinos para proibir os judeus de orar no Monte do Templo em Jerusalém.

“A retórica de Abbas mostra mais uma vez a verdadeira face do presidente palestino, fala de um Estado palestino sem judeus. Abbas tem sido e é um negador do Holocausto e antissemita”, criticou o chefe da diplomacia israelense.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, na sexta-feira pediu aos palestinos  impedirem o acesso à Al-Aqsa em Jerusalém para os judeus e para usar “todos os meios possíveis” para proteger o local, o lugar mais sagrado do judaísmo.

“Esta é a nossa Al-Aqsa e nosso santo lugar, os judeus não têm o direito de entrar e profanar”, acusou o líder palestino em uma conferência de imprensa em Ramallah, acrescentando que “devem ser impedidos de entrar no local por todos os meios”.